Ex-mulher de ministro do TSE pede medidas protetivas contra ele

Ministro do TSE nega a acusação de agressão contra a esposa (foto: Roberto Jayme/Ascom TSE)

A esposa do ministro Admar Gonzaga, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) medidas protetivas contra o marido por agressão. Élida Souza Matos solicitou que Admar seja proibido de entrar em contato com ela. Ao jornal O Globo, Gonzaga disse que não tem nada a declarar e que não sabe o motivo da medida protetiva, solicitada pela sua mulher em 6 de novembro.

Ela também pediu que Admar seja obrigado a manter seu plano de saúde, em razão dos problemas que tem, e a pagar 16 salários mínimos mensais: R$ 14.992.

Em 14 de novembro, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciou o ministro do TSE por violência doméstica e disse que houve ofensa à integridade física de Élida. Afirmou ainda que Admar exerceu intensa pressão psicológica para que ela mudasse a versão da história.

Élida chegou a se retratar de um boletim de ocorrência registrado por ela na polícia, em junho, e contou que Admar despejou enxaguante bucal no seu corpo e a empurrou, pondo as mãos no rosto dela. Posteriormente, voltou atrás. Mas, em depoimento prestado ao Ministério Público Federal em 10 de novembro, Élida reafirmou o que disse à polícia. A pena prevista para o crime de violência doméstica é de três meses a três anos. O relato de Élida e da denúncia de Dodge é que a discussão começou após uma suspeita de traição de Admar.

“Em dado momento dessa discussão, Admar passou a agir de forma violenta e raivosa e pretendia, de qualquer forma, expulsar Élida do quarto e também da casa do casal. Ao empurrá-la com muita força e sofrer resistência — pois Élida estava imóvel e recusava-se a sair —, o denunciado, com a parte inferior de sua mão, atingiu o lado direito do rosto de Élida, causando edema e equimose violácea na região orbital direita”, escreveu Dodge, usando termos técnicos para se referir ao olho roxo de Élida.

No documento que pediu as medidas protetivas, a defesa de Élida argumentou que ela “se encontra inserida num ciclo de violência doméstica”. Alegou ainda que, na retratação feita, ela não chegou a negar a ocorrência da agressão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here