A nova fase da ‘Maus Caminhos’ tem uma relatora preventa para todos os casos, inclusive Habeas Corpus de José Melo e Edilene Oliveira: desembargadora Monica Sifuentes

O ex-governador é acusado de se beneficiar do esquema de desvio de dinheiro da Saúde Pública do Amazonas e Edilene é acusada de esconder documentos e produtos de crime relacionados à Operação 'Custo Político' (foto: reprodução/internet)

A defesa do ex-governador José Melo e da ex-primeira-dama Edilene Oliveira, ingressou nesta terça-feira (9) com pedido de Habeas Corpus (HC), no Tribunal Regional Federal da 1ª Região pedindo a liberação do casal. O HC foi distribuído para o gabinete da desembargadora Monica Sifuentes, que julgará o pedido.

O advogado do casal informou que a demora para o pedido da liminar porque somente os familiares do casal estão ajudando na busca de documentos a serem juntados aos autos.

O ex-governador é acusado de se beneficiar do esquema de desvio de dinheiro da Saúde Pública do Amazonas e Edilene é acusada de esconder documentos e produtos de crime relacionados à Operação ‘Custo Político’. Segundo o MPF/AM, um dos oito construtores que reformaram a mansão adquirida em 2015 pelo ex-governador do Amazonas, em Manaus revelou à Polícia Federal que recebeu aproximadamente 500 mil de reais em dinheiro VIVO “para custear” uma reforma do imóvel. Melo e a mulher seguem presos em regime preventivo, por determinação da juíza federal Jaiza Fraxe, titular da 1ª Vara Federal da Seção Judiciária do Amazonas.

O principal elo entre Melo e dos empresários da Saúde seria o médico Mouhamad Moustafá, também alvo da Operação ‘Maus Caminhos’ e seus desdobramentos. Em sua Decisão, a juíza Jaiza Fraxe observou que o ex-governador e a ex-primeira-dama “escolheram Mouhamad Moustafá para concretizar seu intento criminoso”.

Alecrim liberado para tratamento

Nesta quinta-feira (11), a desembargadora do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Mônica Sifuentes, decidiu liberar o ex-secretário de Estado da Saúde do Amazonas, Wilson Alecrim, para viajar à São Paulo para tratar um câncer de próstata.

Alecrim estava preso no Centro de Detenção Provisório 2, junto com outros três ex-secretários: Afonso Lobo (Sefaz), Evandro Melo (Sead) e Pedro Elias (Susam), mais o ex-governador cassado José Melo. Com a Decisão desta quinta, Alecrim passa a cumprir prisão domiciliar. De acordo com sua defesa, a cirurgia do ex-secretário está agendada para o próximo dia 23.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.