Falta uma assinatura para abertura de CPI das Licitações contra o Governo

Para Souza é seu dever, como parlamentar, investigar os fatos para dar retorno à sociedade

(foto: divulgação)

O secretário-geral da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), deputado Sabá Reis (PR), apresentou pedido de instauração de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), a fim de investigar o excesso de dispensas de licitações para valores milionários que foram concedidos pelo Estado, na gestão atual do governador Amazonino Mendes (PDT). Sete assinaturas já foram recolhidas a favor do pedido. De acordo com o regimento interno da Casa, é necessário que 1/3 dos 24 deputados, isto é, oito, para começar a tramitar.

Sabá Reis explica que a proposta de CPI tem como finalidade, investigar as mais de 170 dispensas de licitação, o que representa 50% de todos os contratos efetuados nos últimos cinco meses, envolvendo as áreas da Saúde, Transporte e Educação.

“O governador Amazonino alegou que o fez em regime de “urgência”, contudo, isso já soma R$ 199 milhões em contratações diretas. Estamos fazendo o nosso papel, visto que o “AMA” solicitou que os deputados ajudem a ‘melhorar sua administração,” enfatizou.

O presidente da Aleam, deputado David Almeida (PSB) incluiu sua assinatura afirmando que pode também abranger o período de sua gestão no Governo. 

Para o deputado Francisco Souza (Podemos), que foi um dos primeiros parlamentares a assinar a petição, a CPI é uma forma de esclarecer dúvidas recorrentes a investimentos feitos pelo governo.

“Nosso papel enquanto parlamentar é fiscalizar, e se existe alguma dúvida, principalmente envolvendo dinheiro público, é nosso dever apurar todos os fatos e apresentar os resultados para a sociedade”, explicou Souza.

Assinaturas

Além dos deputados Sabá Reis, David Almeida e Francisco Souza, outros quatro parlamentares já assinaram o pedido de abertura da CPI: Abdala Fraxe, José Ricardo Lula, Luiz Castro e Serafim Corrêa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.